YouTube  LinkedIn  Google+  Twitter  Google+  Instagram  Facebook 
Quinta dos Loridos

 

Quinta dos Loridos

Voltar
Situada no coração da Região Demarcada de Óbidos e com uma história que remonta ao séc. XV, ligada à produção de vinho e de espumante, a Quinta dos Loridos é um lugar único, onde a tranquilidade e o contacto directo com a natureza assumem um papel especial.

A beleza e imponência do seu solar – Solar dos Loridos – sobressai no meio de terras de vinhedos onde a tradição ainda perdura. Foi construído no séc. XVI por um importante banqueiro italiano da família Lafetat.

É das suas vinhas que se colhem as uvas para a produção dos espumantes de grande qualidade – os espumantes de marca Loridos. Produzido na adega centenária do Solar, que ainda conserva uma prensa de vara do séc. XVII, segundo o Método Clássico (“Méthode Champenoise”) todo o processo é realizado manualmente, tendo um período de estágio numa cave de envelhecimento, em que o espumante nos convida a conhecer os seus segredos.

O espaço circundante complementa este cenário luxuoso: jardins em socalcos, lago, mata, vinhas e o maior jardim oriental da Europa, o impressionante Buddha Eden.

Com cerca de 35 hectares, o jardim foi idealizado e concebido pelo Comendador José Berardo, em resposta à destruição dos Budas Gigantes de Bamyan, naquele que foi um dos maiores actos de barbárie cultural, apagando da memória obras-primas do período tardio da Arte de Gandhara.

Entre budhas, pagodes, estátuas de terracota e várias esculturas cuidadosamente colocadas entre a vegetação, estima-se que foram usadas mais de 6 mil toneladas de mármore e granito para edificar esta obra monumental.

Os 700 soldados de terracota são pintados à mão e cada um deles é único, encontrando-se alguns enterrados como há 2.200 anos atrás. No lago central é possível observar os peixes KOI, e os dragões esculpidos que se erguem da água. A escadaria central é o ponto focal do jardim, onde os buddhas dourados dão calmamente as boas-vindas.

Esta é a Quinta dos Loridos, um lugar que desperta os sentidos…


« Voltar