YouTube  LinkedIn  Google+  Twitter  Google+  Instagram  Facebook 


 

Brancos que aquecem...



O Inverno é, maioritariamente, tempo de tintos. No entanto vê-se cada vez mais vinhos brancos à mesa durante o inverno, lê-se nas revistas da especialidade e sente-se nas vendas um crescimento de consumo de vinhos brancos.

Produzidos das diversas castas que crescem nos nossos solos, como o Arinto, Fernão Pires, Verdelho, Encruzado ou Moscatel de Setúbal, os vinhos brancos produzidos em Portugal são cada vez mais diferenciadores e agradam a todo o tipo de consumidores. Para o verão, recomenda-se vinhos de carater mais frutado e mais frescos, nos meses mais frios, uns vinhos mais encorpados, com boa acidez, para pratos que nos aquecem no inverno.

O Grupo Bacalhôa tem sentido um crescimento no consumo de vinhos brancos. Enquanto as vendas são superiores nos meses de mais calor, com 60,7% dos vinhos brancos a serem vendidos entre Abril e Setembro, os 49% são vendas significativas para um país que nos anos 60 tinha muito poucas marcas (talvez quatro...). O Grupo registou um crescimento de 5% de vendas de vinhos brancos de 2011 a 2012, demonstrando o crescimento no interesse neste tipo de vinhos.
Na imprensa também se denota mais atenção aos vinhos brancos durante estes meses. Por exemplo: "A Revolta Branca" de João Paulo Martins in Revista de Vinhos, Edição Fevereiro 2013, ou a edição a que a Wine Passion chamou: "Brancos de Inverno", Manuel Silva in Wine Passion, na Edição 054 2012.
O primeiro vinho produzido pelo Grupo Bacalhôa foi pela Aliança Vinhos de Portugal no final dos anos 50 na região da Bairrada, utilizando Maria Gomes, e que eram reconhecidos pela sua longevidade. Nos anos 80 lançaram-se mais duas marcas que ainda hoje fazem parte do portfolio do Grupo: Catarina e Cova da Ursa.
Hoje,o Grupo Bacalhôa produz 11 vinhos brancos diferentes em cinco regiões. Cada vinho se distingue pelo seu estilo singular, nomeadamente o JP Azeitão Branco, embora da mesma região que o Cova da Ursa, são vinhos de carater distintos. O Cova da Ursa, feito 100% com a casta Chardonnay , passa 6 meses em barricas novas de carvalho francês, conferindo-lhe um aroma rico a frutos amarelos característicos da casta Chardonnay, como o pêssego e o ananás, combinadas com "nuances" tostadas e abaunilhadas. O JP Azeitão Branco é um vinho que se pretende de carácter muito fresco, onde sobressai as notas florais e frutadas. Produzido a partir das castas Fernão Pires e Moscatel de Setúbal, este vinho estagia em cubas de aço inox para preservar a sua frescura e mineralidade.

Outros vinhos brancos produzidos pelo Grupo Bacalhôa, como o Quinta da Garrida Reserva Branco no Dão e o Galeria na Bairrada, utilizam castas tradicionais de cada região, o Encruzado e Bical respectivamente, retratando a autenticidade e diferenciação de cada região. Bons acompanhantes dos pratos regionais, como é o caso do Galeria Bical com Leitão da Bairrada, este vinhos brancos são uma óptima opção nos dias mais frios do ano.
 



« Voltar